[ editar artigo]

Desistir não é e nunca será uma opção!

Desistir não é e nunca será uma opção!

Sonho para muitos ou sinônimo de liberdade e conquista pessoal para tantos outros, a possibilidade de iniciar um negócio próprio pode ficar mais distante num cenário de crise, certo? Não necessariamente, muitos negócios se iniciam diante da adversidade decorrente por exemplo, de uma perda de emprego ou diminuição de renda causados por uma crise econômica.

 

Empreender é parte do espírito do brasileiro e acreditar que ter o seu próprio negócio estão entre os principais motivos que levam a fazer com que o número da negócios próprios (formais e informais) cresçam a cada dia. Evidente que o surgimento de novas empresas é saudável para economia, e mesmo os negócios informais tem o seu papel no crescimento de renda das famílias, e sabemos que grande parte dos negócios surgem de maneira informal, e os motivos para isso são os mais variados, que vão desde alta carga tributária até o alto grau de burocracia existente no Brasil para que se constitua uma empresa.

 

Recessão econômica não é desculpa para ficar parado. Por isso, trago um pouco da estrada que percorri até aqui no meio empreendedor. Tenho 26 anos, graduado em ciência da computação, especialista em gerenciamento de projetos – FGV e especialista em copywriting.

 

Antes, de entrar no mundo do empreendedorismo eu estava preparado para continuar a seguir o ciclo do sistema como deveria ser, mas após um pouco mais de 2000 currículos enviados, feedbacks negativos de um pouco mais de 18 retornos (sendo apenas 2 deles para entrevistas), isso quando obtinha o retorno. Com isso veio a mente um sonho que tinha desde a infância... “Por que não criar o meu próprio trabalho?” E foi assim que tudo começou em 2018....

 

Sim,  é isso mesmo 2018 foi o ano em que saí da zona de conforto e decidi arriscar, saindo de uma cidade do interior do estado com um pouco mais de 300 mil habitantes, cujo forte da cidade é a agricultura, para a Capital paranaense aonde as portas começaram a se abrir. Neste mesmo ano, apresentei um Pitch, ainda que em fase embrionária para um seleto grupo de empreendedores, aonde fui um dos selecionados para receber acompanhamento a fim de desenvolver e ganhar mercado.

 

Posso dizer que estava no lugar certo e na hora certa já que, com as orientações, apoio e principalmente as direções de como aplicar o que deveria fazer para desenvolver a minha Startup, a minha mente abriu e mostrou que estava no caminho certo.

 

Com as orientações que fui recebendo no meio do caminho, formei uma equipe tecnicamente boa e comprometida que reunia tudo o que eu não tinha (parte de designer e programação). Sendo assim, acabei desenvolvendo duas Startups dentro de uma, incluindo uma parceria internacional que eu jamais esperava...

 

Agora, após segmentar bem ambos os seus “bracinhos”, posso dizer que tenho uma Startup final. E chegou a hora de apresentar ela a vocês. Hope... Isso mesmo, esperança! (é o que também precisamos atualmente e em todas as circunstâncias). No começo de 2018 até 2019, a Hope foi concebida para ser uma Escola de programação, jogos e robótica para crianças e adolescentes (tecnologia Maker), mas decidi ir além e é aí que entra aquela parceria internacional (ainda estão comigo nesse artigo, sim?)

 

Através da Parceria com a rede Sharkcoders – Geniuses of Tomorrow, a Hope School transferiu toda a parte educacional para debaixo da bandeira Portuguesa da Shakcoders, o que nos possibilita ganhar know how, expertise e principalmente experiência no mercado. Contudo, a Hope ainda existe, mas agora com o foco na área de tecnologia, sendo uma desenvolvedora especializada em aplicativos e jogos em AR e VR, deixando assim de ser Hope School e passando a se chamar Hope Technologies.

 

Não foi fácil chegar até aqui, passei por muitas dificuldades, falta de apoio da família e amigos, mas não desisti e cheguei aonde estou hoje, porque tive apoio de grandes mentores que me auxiliaram e ainda auxiliam o caminho que preciso percorrer para atingir os sonhos planejados para a Startup.

 

Portanto a saída para momentos de crise não é excesso de coragem. Cuidado, o mercado está difícil, não seja um destemido sem causa, o segredo é estar qualificado e preparado para superar a crise, se você conseguir isso nesse momento, quando chegar o momento mais calmo, você estará muito forte para competir num mercado mais atrativo - o que possibilitará pensar na parte mais nobre do negócio próprio, como liberdade e conquistas pessoais.

Help.Lab
Jean Alex Marcondes Maraschin
Jean Alex Marcondes Maraschin Seguir

Bacharel em Ciência da Computação, especialista em Gerenciamento de Projetos - FGV, Manager da 1° Acadêmia de Programação, jogos e robótica para crianças e adolescentes, 100% em Realidade Virtual

Ler matéria completa
Indicados para você